1 – Doença afeta bebês prematuros e abaixo do peso no nascimento

Retinopatia-da-prematuridade-você-sabe-o-que-é

Já citamos a Retinopatia aqui no blog, mas você sabe que doença é essa? Pois é sobre ela que falaremos no post de hoje.

Para a mamães e papais que têm nos acompanhado, temos falado sobre doenças que afetam as crianças.

Além disso, temos destacado a importância dos cuidados com os olhos desde a infância como abordamos no artigo Porque cuidar dos olhos desde a infância.

No artigo de hoje vamos conhecer um pouco mais sobre essa enfermidade que afeta, principalmente, bebês prematuros e aqueles que nascem abaixo do peso ideal.

A Retinopatia da prematuridade é uma das principais causadoras de cegueira infantil.

Porém, felizmente em 90% dos casos não são graves e não chegam a prejudicar a visão.

Continuamos com nossos textos informativos para que você papai e você mamãe não esqueçam que quanto mais cedo seus filhos tiverem acompanhamento com um oftalmologista pediátrico, melhor.

Mas, sem mais delongas, vamos aprender um pouco mais sobre a Retinopatia da prematuridade?

Então, segue com a gente na leitura do artigo de hoje.

2 – O que é Retinopatia da prematuridade?

Retinopatia-da-prematuridade-você-sabe-o-que-é

Para início de conversa gostaria que você soubesse que, infelizmente, essa é uma doença pouco conhecida pelos pais.

Por isso, entendemos a importância de falar sobre ela de forma que as informações sejam difundidas com todos.

Dessa maneira, com informação, as pessoas saberão o que fazer em casos como esse.

A Retinopatia da prematuridade é uma doença ocular que acomete crianças que nascem antes de 36 semanas.

Ademais, bebês que nascem pesando menos do que 1600 gramas.

É uma enfermidade que faz com que ocorra um crescimento desorganizado dos vasos sanguíneos que nutrem a parte de trás do olho, mais precisamente, a retina.

Esses vasos começam seu processo de desenvolvimento a partir do terceiro mês de gestação.

Portanto, nos casos de nascimento prematuro esses vasos param de crescer ou crescem de maneira anormal.

Assim sendo, pode danificar a retina causando a Retinopatia da prematuridade.

Em outras palavras, os vasos sanguíneos se rompem gerando um sangramento. Nos casos mais graves há deslocamento da retina.

Em casos como este, infelizmente, o bebê corre risco de ter perda de visão. E esses casos mais graves acontecem:

  • Bebês que nascem antes da 32ª semana gestacional;
  • Bebês que nascem com 1500 gramas ou menos;
  • Bebês que necessitam de tratamento com oxigênio.

Quando um bebê apresenta esse quadro de Retinopatia da prematuridade, ele passa a ser acompanhado por um oftalmologista infantil.

Além da criança ser submetida ao teste do olhinho Ampliado, o prematuro terá o acompanhamento do oftalmologista mesmo após ter alta da unidade neonatal.

O aumento no número de casos de Retinopatia da prematuridade é consequência do avanço tecnológico.

Isso mesmo, porque a medicina avançada tem contribuído para que bebês cada vez menores consigam sobreviver.

3 – Estágios da Retinopatia da prematuridade

Retinopatia-da-prematuridade-você-sabe-o-que-é

O grau de comprometimento dos olhos dos bebês com a doença é medido por um instrumento especial utilizado pelo oftalmologista infantil.

O exame observa o fundo do olho da criança e determina qual dentre os cinco graus foi classificado:

  • Estágio 1 – quando há um crescimento anormal leve dos vasos sanguíneos da retina;
  • Estágio 2 – quando há um crescimento anormal moderado dos vasos sanguíneos da retina
  • Estágio 3 – quando há um crescimento anormal severo dos vasos sanguíneos da retina;
  • Estágio 4 – quando há um crescimento anormal severo dos vasos sanguíneos e deslocamento parcial da retina;
  • Estágio 5 – quando ocorre deslocamento total da retina;

Em sua fase inicial a Retinopatia regride de forma espontânea.

Dentro de 4 a 6 semanas após o nascimento do bebê deverá ser realizado o primeiro exame.

Já o acompanhamento com o oftalmologista pediátrico deve acontecer até os vasos se formarem por completo ou quando a doença regredir totalmente.

ontudo, mesmo com a regressão, é necessário que os bebês tenham acompanhamento anual, pois há chances de que ocorram outras doenças oculares como estrabismo ou diferença de grau entre os olhos.

4 – Tratamento para Retinopatia prematura

Nos casos considerados com risco de causar cegueira, as opções de tratamento indicadas pelos oftalmologistas são:

A cirurgia à laser, considerada a forma de tratamento mais utilizada em casos diagnosticados precocemente.

Com essa cirurgia raios laser que param o crescimento anormal dos vasos sanguíneos que fazem com que a retina saia do seu lugar.

Já nos casos avançados da doença é indicada a colocação de uma faixa cirúrgica no olho.

Nesses casos a retina encontra-se afetada, o que a leva a deslocar do fundo do olho. Com o uso da pequena faixa cirúrgica em volta do globo ocular, a retina permanece no lugar certo.

Mais em situações ainda mais avançados, então, a vitrectomia é indicada.

Em outras palavras, é uma cirurgia que retira o gel com cicatrizes localizado no interior do olho e é substituído por uma substância transparente.

Retinopatia-da-prematuridade-você-sabe-o-que-éRetinopatia-da-prematuridade-você-sabe-o-que-é5 – Como prevenir essa doença ocular

 

Agora queremos dar um importante recado, principalmente para as mamãe.

A melhor maneira de prevenir para que seu bebê não sofra com a Retinopatia prematura é tendo um ótimo pré-natal.

É fundamental que você mamãe e você papai não esqueçam do quanto é fundamental ter o acompanhamento correto durante todo o período gestacional.

Quanto mais dúvidas vocês tirarem com seu médico, melhor. Para evitar sequelas da doença é fundamental prevenir.

Para isso, peça ao seu médico o exame que diagnostica a doença.

Artigos relacionados

Gostou desse artigo? Então compartilhe nas redes sociais: